Champagne! Uma das regiões mais enebriantes da França

champagne_trip

Champagne só aqui! Diversas outras regiões no mundo produzem espumantes de boa qualidade, mas em Champagne estão as marcas mais famosas e o padrão pelo qual todos os outros vinhos da categoria são julgados. Só pode ser considerado “champagne”, por lei (Indicação Geográfica), a bebida produzida nessa região e que segue os métodos aqui estabelecidos.

Já estive diversas vezes em Champagne, amo esse lugar e vou contar tudo que você precisa saber para aproveitar cada segundo da sua visita. Santé!

Champagne é a região vinícola mais ao norte da França, fica a mais ou menos 150Km de Paris e é possível chegar de trem ou de carro. Recomendo ter um carro (ou motorista) a disposição pois as vinícolas, cidadezinhas, restaurantes e pontos de interesse ficam distantes uns dos outros e dirigir proporciona maior liberdade para explorar (não dirija bebendo, é claro).

De carro pela região de Champagne
De carro pela região de Champagne

O tempo de estada ideal é no mínimo duas noites. Para os amantes de champagne que querem visitar as Maisons e aprender sobre os processos de produção da bebida com maior cuidado, três noites. Ou mais, óbvio. Nada mais gostoso do que visitar, além dos grandes, também os pequenos produtores e aprender tudo, provar, ver, ver de novo, provar de novo, descobrir novos sabores e conversar com os locais.

Reims em abril de 2016
Reims florida em abril de 2016

Já fui em todas as épocas do ano e agora olhando as fotos, percebi que as mais bacanas, mesmo com celular antigo, foram tiradas em abril, com as árvores floridas, e também durante o final do verão e começo do outono. Inverno é mais chatinho pois a chance de chuva é grande e alguns estabelecimentos fecham. Mas eu, que não desisto nunca, já fui e iria de novo. Haha!

Vilarejo charmoso em Champagne
Vilarejo charmoso em Champagne e o rio Marne

Champagne está dividida em 5 áreas vinícolas: Aube, Côte des Blancs, Côte de Sézanne, Montagne de Reims e Vallée de la Marne. Reims e Épernay são os centros comerciais da região, sendo que a primeira tem mais cara de cidade enquanto a segunda é pitoresca – alguns importantes produtores de champagne dividem-se entre as duas cidades.

Porém, não vale limitar-se apenas a Épernay e Reims – o bacana é explorar as vinícolas, as cidadezinhas menores e cantos charmosos.

Vinhedos em Champagne
Vinhedos em Champagne
  • REIMS

Reims fica na região de Ardenne e é a capital não oficial e histórica de Champagne (a verdadeira é Châlons). A cidade teve papel importante durante a monarquia francesa pois na Catedral Notre-Dame de Reims eram tradicionalmente coroados os reis franceses. Hoje em dia é uma cidade universitária e um Patrimônio Mundial da Humanidade declarado pela Unesco.

A Catedral de Reims foi danificada pelos alemães durante a Primeira Guerra
Atrás do altal. vitrais de Marc Chagall adicionados em 1974

Além da bela Catedral Notre-Dame, outros pontos de interesse em Reims são a Biblioteca Carnegie, com arquitetura que chama atenção pelo design funcional, pouco comum na França em 1927;

A Biblioteca Carnegie foi doada por Andrew Carnegie a cidade
A Biblioteca Carnegie foi doada por Andrew Carnegie

A bela e medieval Abadia de Saint-Remi (século XI), o Portão Mars (romano) e o Palácio de Tau, o Palácio do Arcebispo de Reims, onde aconteciam os banquetes após a coroação dos reis franceses, na Catedral logo ao lado.

Palácio onde aconteciam os banquetes pós coroação dos reis franceses
Palácio (à esquerda) onde aconteciam os banquetes pós coroação dos reis franceses
  • ÉPERNAY

Épernay fica exatamente no coração das três maiores e mais renomadas áreas vinícolas de Champagne: Montagne de Reims, Vallée de la Marne e Côte des Blancs. Não bastasse isso, a cidade é linda, calma e durante uma caminhada pelo bairro mais central e antigo, que é imperdível e rapidinho, a impressão é de estar numa vilinha bem remota.

Minha rua favorita em Épernay tem um nome bem sugestivo: Avenue du Champagne.

Avenue du Champagne, a mais bela de Epernay
Avenue du Champagne, a mais bela de Épernay

Nessa suntuosa avenida, onde figuram palácios neoclássicos reconstruídos após a Primeira Grande Guerra, estão algumas das principais Maisons de Champagne da região: Möet Chandon, Perrier Jouet, etc. Atenção para o Château Perrier em estilo neo-Louis XIII que data de 1854 (número 13) e para o Hôtel Chandon, onde já se hospedaram Wagner, Napoleão, entre outros.

Hôtel Chandon, em Epernay
Hôtel Chandon, em Épernay, na Avenue du Champagne

Gosto de caminhar por essa rua toda a pé (não é muito longa), com algumas paradas estratégicas para beber champagne (uma taça ou degustação) e admirar os belos casarões. Não deixem de entrar no Hotel de Ville (prefeitura) pois o jardim e o laguinho são de encher os olhos.

Hotel de Viella em Epernay, na Avenue du Champagne
Hotel de Ville em Épernay, na Avenue du Champagne
Lago do Hotel de Ville, Epernay
Lago do Hotel de Ville, Épernay
Imperdível em Epernay, Champagne
Imperdível em Épernay, Champagne

Na cidade é possível encontrar uma quantidade razoável de restaurantes, boulangeries, cafés e lojinhas vendendo vinhos, taças, decanteres, etc. Atenção, muita atenção na hora de estacionar porque eles “adoram” guinchar os carros e fomos “vítimas” em uma de nossas visitas.

Nosso carro guinchado em Champagne
Nosso carro guinchado em Champagne

O interessante nessa história foi que o carro guinchado foi rebocado para um vilarejo meio longe de Épernay. E então os policiais, super simpáticos, nos deram carona para tirar dinheiro e nos levaram até o local onde estava o carro (uns 40 minutos de viagem), explicando tudo sobre champagne, terroir, produtores…no camburão. Hahaha! Foi maravilhoso! Mas foi caro também porque tem que pagar a multa, o guincho e o estacionamento. Cuidado!

  • VISITE DES CAVES

Antes mesmo de recomendar qualquer produtor, o principal: Algumas Maisons de Champagne apenas aceitam visitas e prova com agendamento prévio. É o caso da Möet & Chandon, da Veuve Clicquot, Taittinger, Ruinart (a mais restritiva de todas) e diversas outras. É lógico que num dia vazio e mais tranquilo talvez seja possível marcar em cima da hora, mas eu não arriscaria. Ligue ou mande e-mail reservando os horários.

Santé!
Santé! Com Pommery delícia

Para nossa sorte Champagne tem muitos produtores dessa bebida maravilhosa e eu não estive e nem poderia escrever sobre todas as caves. Listarei as que mais gostei entre as as mais conhecidas e também as mais “exóticas”.

– Ruinart é a vinícola mais antiga de Champagne e a única do grupo LVMH especializada em Blanc des Blancs (meu preferido!!!). A visita as crayères dessa Maison é uma das mais interessantes e completas: são duas horas com um embaixador da casa, que explicará não apenas o processo de produção da bebida e a história de Nicolas Ruinart, o homem que criou a primeira Maison de champagne do mundo, como também a influência da Primeira Grande Guerra na produção da região e sobre como as pessoas procuraram abrigo nas crayères, que é como são chamadas as imensas caves escavadas no calcário da região, que hoje funcionam como local de produção e armazenamento dos vinhos.

A reputação da Maison Ruinart se estabeleceu com o Dom Ruinart Blanc des Blancs
A reputação da Maison Ruinart se estabeleceu com o Dom Ruinart Blanc des Blancs

O tour inclui duas taças de champagne e deve deve ser agendado com 3 semanas de antecedência. Eu enviei o e-mail e mesmo assim liguei para confirmar. Deu tudo certo.

Em Reims. Fechado de novembro a março. Mais informações aqui.

– Veuve Clicquot Ponsardin produz um vintage à base de Pinot Noir, nas versões branca e rosé que envelhecem muito bem e o cuvée de prestige La Grande Dame também é sempre bom. Essa é a Maison que mais visitei (fui três vezes!) porque sempre estávamos com pessoas diferentes e todos querem conhecer. Incrível o apelo da marca!

Jardim da Maison Veuve Clicquot
Jardim da Maison Veuve Clicquot

Devo admitir que é uma das visitas mais completas. Primeiro porque a Maison é maravilhosa, segundo porque a crayère também é linda – patrimônio mundial da humanidade (todas são, na verdade) – com uma iluminação fantástica, terceiro porque sou fã de carteirinha da Viúva Clicquot, quarto porque a degustação inclui a Grande Dama, quinto porque é bem instrutivo e sexto porque no final rola uma bate bola de como servir, como beber, como gelar, como segurar a taça de champagne, a garrafa, etc.

WERTIOPÜ+ÜPOIAQ
Escadaria iluminada para voltar à superfície na VC

Em quase todas as Maisons tem boutique onde é possível comprar taças, champagne, bandeijas, saca-rolhas, balde para gelar bebidas e uma infinidade de outros produtos. Na Veuve Clicquot não é diferente e a loja faz o maior sucesso.

Além do tour convencional, o Discovery, que já expliquei acima e que deve ser agendado aqui com antecedência, são oferecidas ainda experiências mais exclusivas como visita as vinícolas, aos lugares que marcaram a vida da Madame Clicquot e outras opções que você pode explorar e reservar aqui.

Cuvée de prestige La Grande Dame
Cuvée de prestige La Grande Dame

Uma boa idéia no dia desse passeio é combinar com almoço ou jantar no restaurante Le Parc ou na Brasserie Le Jardin, ambos nos hotel Les Crayères, que fica exatamente ao lado da Veuve Clicquot, em Reims.

– Moët & Chandon possui a marca mais famosa e mais vendida de champagne não-vintage, a Brut Impérial, que mesmo produzida em grande volume mantém qualidade louvável enquanto o Dom Pérignon, o “champagne premium” da casa, continua maravilhando o mundo.

Logo na entrada da Moët & Chandon, homenagem a Dom Pérignon
Homenagem ao monge Dom Pérignon

Com duração de 45 min/1 hora, a “visite des caves” fala sobre a história da Maison, sobre as celebridades da época que frequentavam o local para beber e lógico, sobre o espumante da casa, o processo de produção e lógico, sobre a adega do local ser a maior da região, quase um labirinto.

Labirinto recheado de vinho
Labirinto recheado de vinho

Ao final tem a degustação e uma breve explicação sobre os champagnes servidos, que são diferentes dependendo do tour escolhido e que devem ser agendados aqui. A Moët fica em Épernay, na minha avenida favorita, lembram?!

Degustação na Maison Moët & Chandon
Degustação na Maison Moët & Chandon

– Taittinger é uma das maiores vinícolas de champagne pertencente a uma família e emprega muito bem seus bons vinhedos com foco em seu produto principal – o rico e complexo Blanc de blancs cuvée de prestige.

Vinícola Taittinger, em Reims
Maison Taittinger, em Reims

Essa foi a Maison onde mais me senti numa “caverna” mesmo pois é a mais rústica entre as que conheço. Bem bonita e interessante, além de triste, observar os desenhos e esculturas que as pessoas faziam enquanto se escondiam nas caves durante a Grande Guerra.

Escultura de pessoa escondida durante a guerra
Escultura cujo autor se escondia na cave durante a guerra

Recomendo essa visita pois adoro o champagne. Mais informações sobre os horários, preços e reservas aqui. Em Reims.

E agora que já falamos sobre 4 produtores bem famosos, foco em dois que são bacanas e menos conhecidos, onde estive durante minha última viagem à Champagne, em 2016. Esses especificamente foram agendados e os proprietários nos receberam e explicaram tudo. Porém, em outras oportunidades simplesmente saímos de carro sem rumo e íamos parando onde dava vontade – às vezes dava certo, outras nem tanto, mas era sempre divertido. Já fiz também com motorista tudo agendadinho, marcado e pra ser honesta essa foi a vez que achei mais chata porque tínhamos horário fixo para tudo, muita coisa agendada e ficou corrido.

Adorei visitar o Champagne Regis Fliniaux, em Äy. Fomos muitíssimo bem recebidos pelo Regis Fliniaux, que além de nos explicar tudo nos mínimos detalhes e mostrar toda a propriedade, ainda bateu papo, contou histórias e perdemos totalmente a noção do tempo durante a degustação. O lugar é bem rústico, toda produção manual, à moda antiga mesmo, uma delícia.

Sala de degustação
Sala de degustação, repleta de rótulos antigos

Eles não possuem site e recomendo ligar para marcar a visita em inglês ou outra língua caso francês não seja uma opção. Ou vai na mímica mesmo, né?!

Também em Äy, o champagne Pascal Hénin vale a visita. É praticamente o oposto do Fliniaux, mais automatizado e moderno. Bacana ver o contraste entre esses dois pequenos produtores. A visita, explicação e prova também foram uma delícia e o pessoal super atencioso. Recomendo. Saiba mais.

Degustação Pasca Hénin
Degustação Pascal Hénin

Geralmente os produtores menores não cobram um preço fixo para receber os visitantes e nem para oferecer champagne. Porém, fica subentendido que o visitante comprará uma quantidade razoável de espumante. Nada mais justo.

  • ONDE COMER

Assiete Champenoise, único restaurante consagrado com 3 estrelas Michelin na região. Arnaud Lallement é o chef e proprietário do belo hotel que funciona no local e também do restaurante. Ambiente sóbrio, moderno. Cozinha criativa francesa com ingredientes locais. Opções à la carte e menu degustação. Em Tinqueux. Saiba mais aqui.

Cozinha impecável, ambiente idem
Cozinha impecável, ambiente idem

Le Parc Les Crayères mora no meu coração. O ambiente é clássico, lindíssimo e para jantar é muito romântico, aquelas noites memoráveis. Cozinha moderna comandada pelo jovem Philippe Mille, com 2 estrelas Michelin. Destaque para a saborosa lagosta e o foie gras. Em Reims. Reservas aqui.

Salão clássico lindo
Salão clássico lindo
Famosa torta de limão
Famosa torta de limão

Le Millénaire é outro restaurante que amo demais. Possui 1 estrela Michelin. Cozinha moderna num ambiente minimalista e contemporâneo. Opções à la carte e também menu degustação. Dois chefs, Laurent Laplaige e Thibault, são os responsáveis pelas delícias. No coração de Reims. Reserve mesa no salão térreo, mais agradável, aqui.

Tartare perfeito
Tartare perfeito
Carne + Legumes + Foie Gras
Carne + Legumes + Foie Gras

Racine, condecorado com 1 estrela Michelin, trata-se de um restaurante franco-japonês para ficar na memória. Pratos lindos e saborosos pelas mãos do Chef Kazuyuki Tanaka. Pertinho da Catedral Notre-Dame, em Reims. Reservas e mais informações aqui.

Restaurante maravilhoso em Reims
Restaurante maravilhoso em Reims
A sobremesa perfeita
A sobremesa perfeita

Le Jardin Les Crayères é incrível. Num dia bonito e ensolarado então, eu diria que é imperdível. Essa brasserie fica no jardim do hotel Domaine Les Crayères e além de boa comida e bom serviço, o ambiente é uma delícia. Em Reims. Vale combinar o almoço aqui com visita a Maison Ruinart, Veuve Clicquot ou Pommery, todas próximas. Reserve mesa no terraço, muito gostoso, aqui.

Tartare lindo e saboroso
Tartare lindo e saboroso

Le Bocal é um queridinho entre os locais, tem preço bem competitivo para a região e serve peixes e frutos do mar frescos. O ambiente é simples, despretencioso e ao mesmo tempo meio exclusivo pois está “escondido” atrás da Poissonnerie des Halles e só encontra quem conhece. Uma delícia! Em Reims. Para mais informações clique aqui.

Festa de frutos do mar e champagne
Festa de frutos do mar e champagne

Le Pré Champenois serve cozinha clássica saborosa com um toque de modernidade. Em Reims. Saiba mais aqui.

La Table Kobus é uma brasserie bem honesta, de 1900. Serviço atencioso e simpático. É permitido levar sua própria garrafa de champagne para almoço e eles nem cobram a rolha alguns dias da semana. Em Épernay. Veja mais aqui.

Le Théâtre oferece cozinha tradicional e é uma das brasseries mais antigas de Épernay. Mais aqui.

La Grillade Gourmande é especializada em carnes e peixes grelhados além de pratos a base de champagne e boas sobremesas. O chef e proprietário Christophe Bernard já trabalhou com chefs renomados da cozinha francesa e seu restaurante em Épernay é bem concorrido. Link para o site aqui.

Les Berceaux é o único restaurante estrelado de Épernay, com 1 estrela Michelin. Cozinha clássica da região e ambiente igualmente clássico. Chef Patrick Michelon. Para reservas, aqui.

Bistrot le 7 é a versã0 mais jovem e despojada, a opção bistrot do Les Berceaux. Pratos muito saborosos e ótima seleção de champagne. Boa pedida em Épernay. Reservas aqui.

Saboroso Bistrot Le 7
Saboroso Bistrot Le 7

Hostellerie La Briqueterie fica em Vinay apesar de já ter sido barrada como já contei nesse post vou indicar para um almoço num dia ensolarado, mesa no terraço com vista (ou dentro perto das janelas). É realmente muito bonito, boa cozinha. Atenção homens, não usem bermuda! Uma estrela Michelin. Reservas e informações aqui.

Entrada divina
Entrada divina

 

  • ONDE BEBER E COMPRAR CHAMPAGNE

As próprias Caves e Maisons são ótimos lugares para experimentar um bom champagne e adquirir garrafas e utensílios, assim como os bares dos bons hotéis são gostosos para bebericar. Além disso, qualquer restaurante ou bar (que não seja uma “espelunca”) da região oferece um espumante respeitável.

– Perching bar é um bar estilo casa da árvore “natureba” no meio da floresta. Serve champagne tanto dos grandes produtores como também dos menores e é um caso de amor ou ódio devido à dificuldade de encontrar o local e ao atendimento, digamos assim, às vezes “rudimentar”. Vale a visita na minha opinião. O website não estava funcionando quando escrevi o artigo.

Design arrojado no Perching Bar
Design arrojado no Perchingbar
Vista para a floresta no Perchingbar
Vista para a floresta no Perchingbar

Au 36 fica em Hautvillers, o suposto berço do champagne. Ambiente fofo e gostoso tanto para degustação quanto para comprar algumas garrafas. Mais informações aqui.

– C.Comme está localizado em Épernay e é um dos lugares mais bacanas também tanto para beber quanto para comprar champagne. No site há algumas opções de atividades oferecidas no local. Saiba mais.

La Fine Bulle é um Champagne bar e boutique bem despretencioso em Épernay. Adoro a carta de vinhos extensa e detalhada, que informa até a proporção de cada uva nas garrafas. Vende também taças, baldes para gelar bebidas, etc.

Momento Ruinart no La Fine Bulle
Momento Ruinart no La Fine Bulle

Saveurs Champenoises é uma lojinha pequena e delícia em Äy, que só vende produtos locais. Amo. Os donos são super atenciosos, explicam tudo e tem o melhor foie gras de canard enlatado da galáxia.

Foie Gras de Canard delícia
Foie Gras de Canard delícia
  • ONDE FICAR

Domaine Les Creyères***** é um Relais & Châteaux com decoração clássica e bem localizado em Reims – rola caminhar para a Maison Pommery, Veuve Clicquot e Ruinart. Conta com dois restaurantes que adoro, o Le Jardin e o Le Parc. O château estilo Art Nouveau e o jardim são encantadores. Veja mais.   

Hotel Domaine Les Creyères, em Reims
Hotel Domaine Les Creyères, em Reims

L’Assiete Champenoise***** fica em Tinqueux, uns 10 minutos de Reims. São 33 suítes modernas, estilo clean e ambiente familiar. O bar é uma delícia e fica aberto o dia todo enquanto o restaurante é o único com 3 estrelas Michelin na região e também consagrado pelo Gault Millau – a propriedade foi adquirida pela família do chef Arnaud Lallement há mais de 30 anos. Possui piscina interna aquecida. Membro Relais & Chateau. Reserve aqui.

Interior moderno contrasta com o exterior no hotel L'Assiete Champenoise
Interior moderno contrasta com o exterior no hotel L’Assiete Champenoise

– Hostellerie La Briqueterie***** é também um Relais & Châteaux, localizado em Vinay, 4km de Epernay. Restaurante reconhecido e também muito tradicional (em off: já fomos “barrados” no baile  para almoçar num dia de sol forte porque meu irmão e meu marido estavam de bermuda). A decoração tanto dos quartos como do bar e restaurante é carregada e também tradicional. A atração é mesmo a vista estonteante para os vinhedos e os jardins incríveis com rosas. Tem piscina coberta e spa com boas massagens. Descubra mais.

Florida e tradicional Hostellerie la Briqueterie, em Vinay
Florida e tradicional Hostellerie la Briqueterie, em Vinay

– Royal Champagne***** fica em Champillon, 7Km de Épernay e rodeado de vinhedos belíssimos. Já serviu como acomodação para os reis da França. Relais & Châteaux. Fechado até o final de 2017 para reforma. Leia mais.

  • CHAMPAGNE PARA INICIANTES

Usam-se muitas cepas na produção de espumantes pelo mundo mas as utilizadas em Champagne são as mais conhecidas para esse tipo de vinho: Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier.

Brut: o tipo de champagne depende da quantidade de açúcar e pode ser ultra but (muito seco), Brut (seco), Demi-sec (meio doce) e Doux (muito doce).

Non-vintage: o NV é feito com uvas de safras diferentes e amadurecido com borra por pelo menos 15 meses.

Vintage: deve ser feito de 1 só safra e requer no mínimo três anos de amadurecimento.

Rosé: Champagne é uma das poucas denominações que permite fazer rosé misturando vinhos tintos e brancos.

Blanc de blancs: Produzido apenas com cepas brancas (quase sempre 100% Chardonnay).

Blanc des noirs: Feito apenas com cepas tintas (Pinot Noir e Pinot Meunier) e tende a ter sabor mais frutado do que o champagne convencional.

Grande Marque: Expressão encontrada em alguns rótulos e que significa “grande marca”. Muitas vinícolas importantes utilizam mas não representa garantia de qualidade.

Tamanhos de garrafas: 1) Magnum (duas vezes a garrafa convencional) é considerada a melhor para o amadurecimento; 2) Jéroboam (quatro vezes a garrafa convencional); 3) Mathusalem (oito vezes a garrafa convencional); 4) Melchior (vinte e quatro vezes a garrafa convencional).

Cuvée de prestige: Diversas vinícolas lançam rótulos topo de categoria que não medem despesas. Normalmente vinhos vintage, os cuvées de prestige empregam as melhores uvas da região e são amadurecidos por longos períodos. Exemplos: Dom Pérignon (Moët & Chandon) e La Grande Dame (Veuve Clicquot).

Espero que tenham gostado e que com essas informações a viagem seja perfeita!

Santé! Agora é só brilhar!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Você também pode gostar de

11 Comentários

  1. Esta região deve ser mesmo encantadora e quero muito conhecê-la! As cidades que sugere aqui são excelente ideia. E que sorte ter apanhado polícias simpáticos que ajudaram a resolver a questão do carro, haha!

  2. Ok, vamos por partes… Em primeiro lugar esse post me deu muita SEDE!! hahaha.. Agora falando sério, fiquei encantado por essa região que esbanja beleza e exporta tanta qualidade!! Confesso que esse post despertou em mim o interesse pelo assunto e qdo estiver passando pela França, vou dar um pulinho lá – mínimo duas noites, conforme sua recomendação! =)

  3. Que incrível conhecer essa região de camburão, com certeza uma experiência única. rsrs

    Bom, se eu fosse visitar com certeza a minha escolha também seria – Veuve Clicquot rsrs entre outra que pude perceber que o lugar é incrível. Belas dicas. =D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *